Arquivo da tag: Sigbol Fahsion

Croquis: A liberdade do traço

Você sabe o que é um croqui?

Por detrás do design há todo um conjunto de ferramentas de expressão criativa, entre as quais nenhuma se iguala ao velho lápis e papel. Poderíamos falar de arquitetura ou até de cartografia, mas falaremos de moda, do desenho e da liberdade do traço…

Foto 1

A origem do termo croqui vem do século XIX, francês croquer, que significa esboçar e pode se aplicar a diversas áreas, da arquitetura à moda. Croqui não tem outro significado que o do desenhar rápido, não exigindo grande precisão, é uma experiência individual, de descoberta e experimentação, como a pintura ou escultura. Nele está contido o raciocínio e a emoção, simbolizando tudo que o criador processa de forma simples e espontânea a caminho de um resultado.

Foto 2

Desenhar é um processo livre e vai além do limite da própria imaginação. Mas, na verdade não é bem assim… Quem desenha sabe que será julgado e avaliado por outros, e procura a exatidão, uma técnica que domine bem, de modo que seu processo criativo resulte numa representação perfeita e até mesmo realista, sendo assim havendo as tais “limitações”, pelo menos para que haja interpretação do desenho.

Hoje há muitos cursos para aprender a desenhar, sem ser totalmente perfeito, rompendo com os estereótipos presentes.

Foto 3

Nos croquis (por serem registros de ideias ou de emoções instantâneas) é evidente que as técnicas de caimento, e coloração ficam claras. As figuras e as roupas permitem a ilusão do movimento, aquela que se pretende com a peça criada.

Desenhar nada mais é que observar e treinar. E se você tá na vontade de aprender croqui de moda é muito simples… solta o vídeo:

*

Por Paola Sanguin, professora do Núcleo de Criação Sigbol Fashion.

Referências: 12, 3.

Apostilas Sigbol Fashion – Desenho de Moda Básico, Especialização em Desenho de Moda, Estilo.

Você sabe diferenciar o espartilho do corpete?

Todo mundo confunde-se com as pequenas diferenças entre essas peças, ambos são rígidas com barbatanas,camadas de tecidos e forros, mais o detalhe está no comprimento.

foto 1O corpete (ou corset/corpo) foi moda entre as mulheres do Renascimento ao século XVIII (Rococó), essa peça era confeccionada até a altura da cintura e tinha como objetivo comprimir o tronco,corrigindo a postura devido a sua rigidez.

FOTO 2O século XIX e início do século XX ( La Belle Époque) foi moda do uso de espartilhos,cujo comprimento ultrapassa a cintura. O espartilho foi criado para moldar a silhueta adaptando-se às suas curvas,realçando o busto e os quadris ao diminuir a cintura

fOTO 3Para deixar a cintura mais fina o espartilho era colocado sob roupas intimas e a amarração nas costas facilitava a compressão da cintura,desta forma a mulher visualizada de perfil adquiria uma silhueta em S.

fOTO 4Hoje a peça mais usada é o corpete,aparece como lingerie ou como peças de roupa, que podem aparecer sozinhas ou sobre camisas. São confeccionadas com tecidos nobres,ele é frequentemente em produções mais sofisticadas como looks de festa de ou em vestidos de noiva.

fOTO 5Mesmo sem a rigidez dos séculos passados o espartilho continua valorizando as curvas femininas. Para as mulheres que almejam uma cintura finíssima, ainda existem algumas marcas que produzem espartilhos sob medidas, que proporciona a mulher uma cintura exageradamente fina.

fOTO6

 

*

Por Elizangela Gomes, Professora de Desenho de Moda no Núcleo de Criação da Sigbol Fashion

Referências: 1, 2, 3, 4.