Arquivo da tag: Estilistas

Estilistas Brasileiros – Glória Coelho.

gloriacoelho2Glória Coelho nasceu na cidade de Pedra Azul/MG em 1951, estudou moda em Paris e voltou ao Brasil em 1974. A “G” foi sua primeira marca. Se casou com seu ex-assistente Reinaldo Lourenço que atualmente também é um famoso estilista. Com Reinaldo, Glória teve um filho, Pedro Lourenço que escolheu a profissão de seus pais.familia-coelho-lourenco-1024x641

Lançou sua segunda marca “Carlota Joakina” (moda jovem), suas peças podem ser encontradas em lojas próprias no Brasil, showroom em Londres e Paris. A marca também exporta para mais de cinco países. Tanto a marca “Glória Coelho” quanto a “Carlota Joakina” participaram efetivamente do Morumbi Fashion e hoje do SPFW.

Conheça um pouco do trabalho da estilista:

  • Desfile SPFW – Glória Coelho/ Inverno 2016

Tema: Os nórdicos.

  • Desfile SPFW – Glória Coelho/ Verão 2016

Inspirações: Tema central: a cura; inspirações: mistura dos anos 60, 70, 80 e 2003, energia positiva, jet set, yatch, fórmula 1, patchwork, arte gráfica, código de barra e surf.

desfile branco desfile preto

  • Desfile SPFW – Glória Coelho/ Verão 2015

Tema: Comemorações

Inspirações: Magia científica, movimentos da natureza, folhas em movimento, ripple stripe (espécie de padronagem), movimento das águas, Rio de Janeiro e corselet.desfile 2014

desfile 2014 cont.

*

Por Crislaine Lima, professora do Núcleo de Criação da Sigbol Fashion.

Referências: 1, 23, 45, 6 e vídeo.

Bureaux de Estilo: Para que serve afinal?

foto 1

Moda nem sempre é conceitual, onde o estilista pode viajar nas criações.

Em 1961, foram criados os primeiros escritórios de estilo, passando assim o vestuário industrializado de massa pela mudança de estatuto, tornando-se integralmente um produto de moda.

foto 3

Resumindo, é um livro onde são ditadas as tendências de moda. Deve ser parte do trabalho de um estilista para que ele transforme em orientação para criação de moda. Essas tendências são econômicas, culturais, políticas e estéticas. Já, para aqueles que trabalham nos bureaux de estilo, é extremamente importante captar perfeitamente o quê move a sociedade e todos os elementos que a compõe, para que assim as tendências influenciem no próprio comportamento do consumidor.

foto 2

Se você ficou curioso para saber como são utilizadas as tendências do Bureaux, relaxe! Conheça nosso curso de Estilo você aprende isso e muito mais…

*

Por Paola Sanguin, professora do núcleo de criação Sigbol Fashion

Referências: 12. RVB Malhas, Rovitex Malhas.

Apostila de Estilo Sigbol Fashion, Manual Arte de Vestir Sigbol Fashion, Dicionário da Moda Sigbol Fashion.

Estilistas Brasileiros: Zuzu Angel.

2Nascida em 1921, Curvelo – Minas Gerais, começou a trabalhar comercialmente como costureira em meados dos anos 50.

Nos anos 70, abriu sua loja em Ipanema – RJ, e realizava desfiles no exterior com suas peças cheia de cultura brasileira. Exibia em suas roupas chita, rendas do Ceará e frutas, cores tropicais, pedras nacionais, fragmentos do bambu, de madeiras e de conchas. E com isso conquistou um espaço internacional, expunha suas criações em vitrines de grandes lojas de departamento americanas.

Zuzu Angel mostrava um comportamento diferente dos estilistas da época, não lhe agradava fazer roupas para o mercado elitizado, queria vestir a mulher que vai ao mercado, aquela do ponto de ônibus, seu objetivo era vestir pessoas em grande escala.

Conheça um pouco da carreira e vida da estilista:

1
International Dateline Collection, 1972, by Zuzu Angel
6
Modelo americana – Zuzu foi a pioneira na moda folclórica e étnica.
5
Enfrentou a ditadura militar, que matou seu filho, Stuart Angel. Militante, preso em 14/05/1971, torturado até a morte na Base Aérea do Galeão. Sua denúncia invadiu a passarela, chegou à Justiça, ao governo americano e repercutiu no mundo.
7
Vestido com bordados em protesto a Ditadura – 1971.

100070100080

4
Filme: Zuzu Angel, 2006.

Zuzu Angel levou sua indignação e denúncia até as passarelas, e foi muito importante para a moda nacional ao utilizar materiais  e cultura nacional fazendo uma “moda brasileira”, desviando o olhar dos modelos copiados de Paris. Até sua morte em 1976 num acidente de carro (supostamente também envolvido em conspirações), procurou respostas pelo paradeiro do corpo de seu filho.

*

*

*

Por, Crislaine Lima professora do Núcleo de Criação da Sigbol Fashion.

Referências: 123456.

Manual História da Moda Sigbol Fashion.