Algodão: Vilão?

Desde muito cedo aprendemos e associamos o algodão a algo natural e saudável. Porém qual será o efeito da produção de algodão no meio ambiente?

Infelizmente a resposta é não e os impactos são cruéis, mas primeiro devemos entender as diferenças entre os tipos de algodão e seus impactos:

  • Algodão Convencional: 90% da oferta mundial do algodão convencional é geneticamente modificada. Para criar 1kg de  algodão, usamos 30.000 litros de água, ou seja, 2.700 litros de água para produzir uma camiseta de algodão.
  • Algodão BCI (Better Cotton Initiative): É um algodão mais barato que o orgânico e que é produzido com base em ações sustentáveis (usa menos água e pesticidas, além de buscar promover relações justa de trabalho entre seus produtores).
  • Algodão orgânico: Utiliza apenas pesticidas naturais (oriundos de plantas) em sua plantação, além de reduzir a quantidade de água e emissão de gases. Para que um algodão seja orgânico, ele deve passar por uma cerificação oficial.

 

O uso de algodão orgânico e BCI já se tornaram uma tendência no mundo da moda, muito graças a conscientização da responsabilidade com o meio ambiente. Até mesmo empresas de fast fashion estão adotando esse tipo de material para sua produção como a C&A alemã e a C&A Brasil está incentivando o plantio de algodão orgânico no nosso país, uma vez que ela é a maior consumidora desse produto no mundo, já vende desde 2012 roupas produzidas com algodão orgânico no Brasil e pretende que 100% das suas roupas em 2020 sejam feitas com fibra sustentável ou orgânica.

syngenta_-537677647_842x384_2screen-shot-2017-09-18-at-10.17.50-am

 

*

Por Mayara Behlau, professora no Núcleo de Criação da Sigbol.

Referências: 1, 2, 3, 4 e 5

Curiosidades da Moda: A história do tecido Jacquard

Cada tecido tem sua particularidade. Eles são diferenciados pela sua estrutura (entrelaçamento dos fios de urdume junto a trama), e sua fibra (material utilizado para a fabricação, sintético ou natural). Porém, sua textura é determinante para o acabamento, como caimento e aspecto do toque. E com o Jacquard não é diferente,  um tecido antigo e com uma estrutura riquíssima em possibilidades de visual e textura, além de poder ser tecido em diferentes espessuras, utilizado para peças de roupas, cortinas, estofados etc.
Uma das invenções mais importantes da História, o tear deste tecido foi criado em 1801 por Joseph Marie Jacquard, tecelão francês e inventor do tear mecânico. Ele construiu uma máquina inteiramente automatizada, que podia fazer desenhos muito complicados. Toda essa operação era feita manualmente e ele resolveu optar pela praticidade, a cada segundo, ele tinha que mudar o novelo, seguindo as determinações do contratante. Com o tempo, Jacquard foi percebendo que as mudanças eram sempre sequenciais e inventou um processo simples: cartões perfurados, onde o contratante poderia registrar, ponto a ponto, a receita para a confecção de um tecido.
De início essa invenção incomodou muitos tecelões. O medo de que a máquina pudesse ocupar seus espaços de trabalho gerou muitas revoltas, não apenas na França, como também na Inglaterra, onde os movimentos anti-indústria eram bem fortes. A notícia sobre o Jacquard foi um dos fatos que impulsionaram o movimento inglês ludista (que consistia em invadir as fábricas e destruir as máquinas que produziam as mercadorias da indústria têxtil).

 

Entre 1820 e 1839 o Jacquard se tornou um dos principais sistemas de padronização têxtil no mundo, até ser substituído pelo tear mecânico de maquineta em 1840.

Hoje, por conta da tecnologia as máquinas estão mais avançadas e existem projetos inovadores, onde o objetivo é desenvolver máquinas mais modernas de tear industriais e tricô 3D para criar roupas inteligentes que poderão funcionar como computadores vestíveis. Por enquanto, apreciamos a beleza do tecido em passarelas e utilizamos nas mais diversas possibilidades de criação.

Gostou de aprofundar seu conhecimento? No curso de Desenho de Moda Básico da Sigbol, você desenvolve uma incrível pasta com amostras de Tecidos para referência. Saiba mais em nosso site.

*

Por Paola Sanguin, professora do núcleo de criação da Sigbol Fashion

Referências: 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10.

Manual Técnico Dicionário da Moda Sigbol, Manual Técnico História da Moda Sigbol

A HISTÓRIA DO CARNAVAL

É carnaval todo ano nesse país, gente! Brincadeiras à parte, não enlouquecemos por aqui, não. O carnaval realmente acontece todos os anos, e no Brasil, normalmente, tudo é interrompido por conta desta festa. Mas você, nosso folião fashion, sabe qual é o verdadeiro significado dela?

O carnaval é uma festa popular que surgiu ainda na Antiguidade, com o objetivo de celebrar os deuses pagãos e a natureza. Depois foi reconhecida pela igreja e incluída no calendário cristão. Séculos depois, ainda é comemorada no mundo inteiro! E cada país tem diferentes características para sua celebração.

foto 23

O carnaval (que em latim, recebe nome de “carnis valles”) é a festa que marca o adeus à carne, ou seja, marca a data de início do grande período de jejum, abstinência e caridade, conhecido pelos cristãos como a quaresma, período de 40 dias que antecede as celebrações da Sexta Feira Santa e da Páscoa.

Por conta disto, sempre houve uma grande concentração de festejos populares, e cada lugar brincava a seu modo, de acordo com seus costumes, incluindo-se as formas extravagantes.

montagem2

Há indícios de que sua origem foi na Grécia, em meados dos anos 600 a 520 a.C. Os gregos realizavam, neste período, seus cultos em agradecimento aos deuses pela produção e fertilidade do solo.

foto 21

Em Roma, a celebração prolongava-se por sete dias nas casas, nas praças e nas ruas, onde todos bebiam, comiam e celebravam alegremente, na busca incessante aos prazeres. Todas as atividades e negócios eram fechados neste período, os escravos ganhavam liberdade temporária e as restrições morais eram relaxadas. As pessoas trocavam presentes, um rei era eleito por brincadeira e comandava o cortejo pelas ruas.

foto 2

Em 500 d.C. essa comemoração foi adotada pela igreja Católica como precedente a quaresma, longo período de privações, que resultaria na invenção de diversas festividades nos dias que antecedem a quarta-feira de Cinzas.

foto 4

No período do Renascimento, as festas de carnaval incorporavam os bailes de máscaras, com ricas fantasias e carros alegóricos. Outros tipos de comemorações populares foram tomando o formato atual.

montagem3

O carnaval de hoje, feito de fantasias, é produto da sociedade vitoriana do séc. XIX. Paris foi a principal cidade modelo, exportadora da festa carnavalesca para o mundo. Cidades como Nova Orleans, Toronto, Nice, Santa Cruz de Tenerife e Rio de Janeiro se inspiraram nas festas carnavalescas parisienses.

montagem4

O Rio de Janeiro criou seu estilo próprio de fazer carnaval, com desfiles de escolas de samba, e terminou por influenciar outras cidades brasileiras e o restante do mundo, como São Paulo, Helsinque e Tóquio.

montagem5

Atualmente o carnaval do Rio de Janeiro está no Guinness Book como o maior carnaval do mundo, com um número estimado de 2 milhões de pessoas por dia, nos blocos de rua da cidade. Em 1995, a cidade de Recife, com a festa do Galo da Madrugada, também entrou para o Guinness como o maior bloco de carnaval de rua do mundo.

*

por Elizangela Gomes, professora do Núcleo de Criação da Sigbol Fashion

Referências: 1234 e 5.

PASSO A PASSO CARNAVAL – OMBREIRAS PARA CAMISETA

Ei, você aí! Bora se jogar na folia do Carnaval e customizar sua própria camiseta? Confira nosso passo a passo de ombreira pra sair dançando e arrasando nos bloquinhos.

Material:

  • Cola fria
  • Tesoura
  • Feltro
  • Chaton
  • Cortina Metalizada
  • Alfinete de Segurança
  • Bojo
  • Giz de Alfaiate

1º – Primeiro passo é recortar as rebarbas do bojo com a tesoura.

2º – Em seguida, pressione o bojo sobre o feltro e marque seu contorno com giz de alfaiate. Corte o feltro.

3º – Após, aplique o chaton nas bordas do bojo com cola fria e aguarde secar uns minutinhos. Em quanto isso, estique a cortina metalizada e tire a margem de papel.

4º – Agora, é só juntar o bojo no cento (meio) dos fios metalizados e colar o feltro. E por final, corte um pedacinho de feltro para colar os alfinetes de segurança nas pontas e aguarde secar. Se necessário, ajuste o comprimento de sua preferência.

Pronto! Agora é só aplicar as ombreiras na camiseta e curtir o Carnaval! ❤🤩

*

Por Pri Marx, professora do núcleo de criação da Sigbol Fashion

Passo a Passo Carnaval – Brincos

Aqui na Sigbol, a folia já começou. E o que não pode faltar é dicas baratinhas pra você fazer acessórios pra sair sambando na avenida. E hoje temos essa dica suuper legal! Vamos lá?

Material:

  • Cola quente
  • Tesoura
  • Durex
  • Alicates para bijuterias
  • Anzol de Brinco
  • Fecho para brinco
  • Suporte (base/fecho finalizador) de Brinco
  • Pompom (fita metalizada)

1º – Abra o pompom metalizado e corte o lacre. Repita o procedimento com todos.

2º – Em seguida una as fitinhas coloridas com durex nas pontas e retire a sobra.

3º – Utilize a cola quente na base (fecho finalizador) para colar as fitas com durex.

4º – Agora, com o auxílio do alicate, una o anzol a base do fecho finalizador!

 

Está pronto seu par de brincos para pular o Carnaval! 💃🧙‍♀🧜‍♀🧞‍♂🧚‍♀🎉🎊🤩

*

Por Pri Marx, professora do núcleo de criação da Sigbol Fashion