Curiosidades da Moda: A história do tecido Jacquard

Cada tecido tem sua particularidade. Eles são diferenciados pela sua estrutura (entrelaçamento dos fios de urdume junto a trama), e sua fibra (material utilizado para a fabricação, sintético ou natural). Porém, sua textura é determinante para o acabamento, como caimento e aspecto do toque. E com o Jacquard não é diferente,  um tecido antigo e com uma estrutura riquíssima em possibilidades de visual e textura, além de poder ser tecido em diferentes espessuras, utilizado para peças de roupas, cortinas, estofados etc.
Uma das invenções mais importantes da História, o tear deste tecido foi criado em 1801 por Joseph Marie Jacquard, tecelão francês e inventor do tear mecânico. Ele construiu uma máquina inteiramente automatizada, que podia fazer desenhos muito complicados. Toda essa operação era feita manualmente e ele resolveu optar pela praticidade, a cada segundo, ele tinha que mudar o novelo, seguindo as determinações do contratante. Com o tempo, Jacquard foi percebendo que as mudanças eram sempre sequenciais e inventou um processo simples: cartões perfurados, onde o contratante poderia registrar, ponto a ponto, a receita para a confecção de um tecido.
De início essa invenção incomodou muitos tecelões. O medo de que a máquina pudesse ocupar seus espaços de trabalho gerou muitas revoltas, não apenas na França, como também na Inglaterra, onde os movimentos anti-indústria eram bem fortes. A notícia sobre o Jacquard foi um dos fatos que impulsionaram o movimento inglês ludista (que consistia em invadir as fábricas e destruir as máquinas que produziam as mercadorias da indústria têxtil).

 

Entre 1820 e 1839 o Jacquard se tornou um dos principais sistemas de padronização têxtil no mundo, até ser substituído pelo tear mecânico de maquineta em 1840.

Hoje, por conta da tecnologia as máquinas estão mais avançadas e existem projetos inovadores, onde o objetivo é desenvolver máquinas mais modernas de tear industriais e tricô 3D para criar roupas inteligentes que poderão funcionar como computadores vestíveis. Por enquanto, apreciamos a beleza do tecido em passarelas e utilizamos nas mais diversas possibilidades de criação.

Gostou de aprofundar seu conhecimento? No curso de Desenho de Moda Básico da Sigbol, você desenvolve uma incrível pasta com amostras de Tecidos para referência. Saiba mais em nosso site.

*

Por Paola Sanguin, professora do núcleo de criação da Sigbol Fashion

Referências: 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10.

Manual Técnico Dicionário da Moda Sigbol, Manual Técnico História da Moda Sigbol

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: